05/10/2011

A TV era mais bonita no meu tempo

Eu lembro com tanto carinho dessa época em que eu era menina. Tinha coisa mais bonita que ficar ouvindo Balao Mágico ou Trem da Alegria, pulando na sala, enquanto brincávamos de boneca com as amigas? Ou delirando de paixao com o  Menudo ou Dominó, enquanto sonhávamos em ser a modelo que aparecia na tela beijando os gatinhos dos grupos e morrendo de inveja daquela maldita bonitona morta de sortuda?...



Ahh sério, nao tinha coisa mais gostosa do que sonhar com aqueles ídolos maravilhosos. Ou antes, ainda pequenos, brincar de brincar com aquelas criancinhas fofas que ficavam na TV nos encantando. Simony  e Cia, tantos programas bons, meu Deus! 



Os especias da Globo, geralmente nos sábados, caramba, tu lembra disso? Perdíamos qualquer festinha animada pra estar no horário certinho do início do programa. Lembro de ver a rua onde morávamos esvaziar,  a meninada corria pra casa antes mesmo que os pais chamassem, só pra nao perder o programa... conhecíamos todas as músicas, cantávamos juntos enquanto imitávamos os passos de danca e olhávamos impressionados o programa cheio de coisas modernas, botoes, naves espaciais, bonecos falantes... 



E os desenhos animados??? Sessao da Tarde e o programa de todo fim de tarde: O Sítio do Picapau Amarelo... fala sério: você já viu programa  melhor que esse na atualidade? O que era aquela vovó maravilhosa da D. Benta, aquela boneca falante incrível que era a Emília, aquela menininha linda da Narizinho, o Pedrinho, aquele priminho corajoso, o Visconde de Sabugosa, a  tia Anastácia, o Saci que morava dentro do bambu, e tantos outros...



Procurei gente, procurei  mas nao achei nada melhor pra oferecer aos meus filhos do que as belezas que vivi. Eles nao precisam saber disso, mas essa é a verdade. Infância bonita mesmo,  tivemos nós, os pais dos nossos filhos. Sim, sim, meus filhos viram muito Castelo Rá Tim Bum, Cocoricó, Glub Glub e tantos outros programas lindos da Tv Cultura, mas, ai meu Deus nunca nada superou o amor pelo Ray do Menudo, os especiais com o Balao Mágico ou a beleza incrível e mágica do Sítio!!
O que era aquilo?? O que era aquele fim de tarde de todo dia? O que era aquela correria pra casa pra nao perder o capítulo do anjinho que perdeu a asa, do Minotauro, do encontro com o Sao Jorge da tia Anastácia o pirlimpimpim? O que era aquilo minha gente??


Sei que vc vai dizer, Nina, deixa de ser bobinha, cada época é diferente, as criancas vivem a sua época, e pra elas essa é a beleza que conhecem, se eles vissem hoje o Sítio de antigamente iriam rir muito da ingenuidade presente ali e achariam tudo ridículo demais... e coisa e tal, mas aaahhh, me deixa sonhar com o lindo mundo que eu tinha a impressao de viver, me deixa lembrar de mim menina, de mim sonhadora, de mim pequenininha, de mim carente, tristinha, de mim sonhando com um futuro  bonito, bem bonito! Me deixa  repetir, vai: nunca terá algo mais belo do que o que nós vivenciamos!
Podem me xingar de infantil, que parei no tempo e coisa e tal, to nem aí nao,viu?!

30/08/2011

Estourando bolinhas

A gente nao tinha assim tantos brinquedos quanto gostaríamos. 
Os outros amigos, sim.
Era difícil nao ter tanto quanto desejávamos, mas de alguma maneira, aquilo nao era assim tao importante pra gente. De alguma maneira, entendíamos a situacao difícil em que vivíamos. 
Nossa casa também nao tinha nada de especial. 
A dos amigos sim. 
A casa da Cristianne era cheia de coisas lindas e bonecas incríveis. O jardim da mae do Macedinho era lindo, parecia um sonho de tao verde e iluminado, tinha até mesmo um carrinho de construcao que era pintado de branco e tinha plantas dentro. E tinha lâmpadas pra noite! E árvores muito bonitas. E tinha grama verdinha, sempre linda e verdejante. Na casa da Arcelina tinha muitas bonecas e na da Giuliana, tinha muitas bicicletas e elas tinham até mesmo escovas de dentes elétricas. Que coisa incrível!!
A gente tinha muito pouco! Por isso quando mamae comprava algo pra gente, era uma festa.

Ainda nao estávamos acostumados com coisas novas, e isso só comecou a chegar lá por casa quando eu tinha uns 11 anos mais ou menos, que foi também quando eu conheci o chocolate! Lembro que ganhávamos melissinhas e o cheiro de borracha era maravilhoso!! E muitas calcinhas... éramos muitas meninas e mamae tinha que se virar pra comprar roupas pra tanta menina. Mas mamae nunca comprava camisolas ou babydolls, porque esses vovó costurava com muito prazer. Quando mamae comprava xampus, eu ficava tao alegre que os jogava pro alto, comemorando nossa "súbita riqueza", até que um dia um deles caiu e quebrou, ficou tudo derramado no chao e minha mae quase me bateu quando soube que eu caí no banheiro por que o xampu fez tudo ficar liso... tinha dias que mamae comprava um móvel e nossa casa se enchia de coisas sensacionais: jogo de sofá de veludo, um luxo!!! Um barzinho de madeira com rodas grandes, cheio de bebidas que ninguém tomava; copo de cristal que a gente adorava ficar brincando: aaahh agora a gente tá mesmo rico! Camas e beliches; tapetes, quadros, estantes...  mas de tudo isso, o que eu mais adorava era a embalagem que cobria as novas compras: aqueles sacos plásticos de bolinhas cheias de ar. Meu Deus, como eu gostava daquilo! Na verdade, nao só eu, todos os meus irmaos também amavam estourar as bolinhas e era uma briga nessa hora. A gente ficava ali horas apertando uma por uma, as bolinhas, fazendo um barulho danado e quando ia um por um saindo daquela brincadeira, eu ficava com as últimas bolinhas, e quando nao conseguia mais nada, girava o saco já todo molenga nas maos, apertando com bastante forca, e sempre havia algumas bolinhas com ar pra serem estouradas.

Aquele era o maior símbolo de que a situacao financeira da família estava melhorando e até hoje eu adoro estourar essas bolinhas. Hoje mesmo estourei um saquinho inteiro! A compra foi me dada de aniversário e eu, pra ser muito sincera, gostei mais das bolinhas. Sao de um plástico muito macio, como ainda nao conhecia, e as bolinhas estouram muito facilmente, quase lentamente e o barulho é maravilhoso, igualzinho como quando eu era menina. Meu bebê estourou algumas e ficou muito feliz e encantado com a descoberta.  Meus filhos, quando ganham algo, logo me chamam pra estourar as bolinhas com eles.

Observando o bebezinho hoje, pensei que bem lá no fundo, as coisas mais simples sao de fato, as mais belas, sao essas coisas que importam e sao elas que ficam guardadas na gente, estourando como bolinhas de ar na nossa memória...



pra sempre...

23/08/2011

Viajar é bom...

Quando a turma, lá na vila militar, que podia viajar de férias voltava pra casa, era uma alegria gigantesca. Todos se reuniam em volta do amigo que trazia na mala coisas novas pra gente que ficava.  A gente ficava era deslumbrando com  as histórias de outras cidades, outras pessoas e costumes. A gente lá em casa que sempre ficava, que nunca podia viajar de férias porque o dinheiro nao dava pra colocar 5 filhos dentro de um aviao, ficava contando o tempo incontável e inimaginável até o dia que poderíamos também viajar... enquanto sonhávamos, eu ficava pensando que seria mais fácil e rápido, voar sem uso de aviao. Tinha dia que sonhava que estava entre as nuvens, voando sem asas, fazendo voos rasantes entre as nuvens enormes que via no céu, ou que tinha um tapete voador, que sentava nele e ia passear. Depois ia mudando meus sonhos para algo mais interessante e rápido, tinha vontade de ser como doutor Spock, viajar num segundo e voltar rapidinho, quando quisesse, ou usando o pó de pirlimpimpim do Sítio do Picapau, assim eu descobria um jeito de achar que os amigos que viajavam de verdade, nao eram  assim tao mais importantes do que nós, filhinhos pobrezinhos da mamae, pensava que eles nao vajavam do jeito certo e mais legal...o jeito mágico que um dia eu poderia vivenciar. 

Bom, como você pode imaginar, nunca consegui voar sem asas (nem com elas...) ou com uma simples ordem do cérebro, mas demorou até que pude entrar num aviao pela primeira vez, eu tinha 18 anos e fui pro sul do país, passar frio num inverno desconhecido pra mim até entao, menininha vinda de Manaus, cidade que só tem duas estacoes: quente e muito quente! 

Mas depois da primeira vez, viiixiii que nao parei mais. Tanto gosto de viajar que sempre recomendo a todos que facam o mesmo: olha, viajar e fazer uma faculdade sao as coisas mais importantes que você pode fazer a você mesmo. 
É bom viajar, mas o melhor da viagem é mesmo, o voltar pra casa!

Por isso to feliz de depois de mais uma gostosa viagem, estar agora escrevendo daqui de casa...
É bom, né?


06/07/2011

De férias!

Vou ali curtir umas férias e já volto...
Até lá!
Aproveite seus dias, um beijo e até a volta.